Relacionamento verdadeiro significado

O meu desabafo do que eu acho em relação ao amor

2020.11.07 12:05 Famous-Rabbitz O meu desabafo do que eu acho em relação ao amor

Amor, é um misto de sentimentos maioritariamente bons, que mudam totalmente tudo, seja emoções, pensamentos, visões de vida e muitas mais coisas As vezes dizer que amamos algo é uma forma de dizer que gostamos disso e não é ter um sentimento mais forte, quando se ama algo ou alguém de verdade não existe como descrever tal emoção e sentimento, tornar-se um misto de tudo que é bom Lá bem no fundo amar também pode ser mau, leva a cometer certos atos de loucura pela pessoa, acabando por deixar totalmente cega por ela, e deixando de ter o amor próprio que é um dos pilares para amar alguém, porque para amar alguém tem de se saber amar primeiro Muitos dizem que sabem o que é amor, mas amor ninguém sabe ao certo o que é, e como aparece, é algo tão espontâneo e natural, uma mistura bons e maus sentimentos que fundo quando se juntam se tornam uma coisa maior, o amor Quando se ama alguém e se compromete num relacionamento, melhor não há, ter uma pessoa que traga uma felicidade enorme, um amor que é raro e contagiante, Num relacionamento existem bases para o manter saudável, como a confiança, sinceridade, respeito, compreensão, e o mais importante, o amor Amar alguém pode se tornar uma doença ou até uma salvação, de saber que tem alguém todos os dias que possa falar e se alegrar, e confiar os seu segredos e sentimentos, e possa sempre ter o seu porto de abrigo, confiar os seus problemas em espera de uma ajuda de alguém que se possa confiar Por vezes também destrói por dentro e mata todos os outros sentimentos causando uma tristeza sem fim, uma ansiedade fora do comum ao saber quem o transmite brinque com ele e muitas vezes não o valoriza realmente, as vezes pode-se dar 100% de nós para deixarmos alguém feliz e apenas esperar apenas algo recíproco e bom, mas no fim de tudo há quem venha a este mundo para brincar com sentimentos e acabar por deixar o outro com incertezas e dúvidas em relação a tudo, podendo deixar certos problemas como confiança, e uma certeza futura para poder voltar a amar, sem nenhum receio que possa voltar acontcer de novo, mas bem lá fundo essas pessoas até ajundam a tornar mais fortes e não ter logo um sentimento forte por pessoas que não o merecem. Mas em contra partida existe quem faça totalmente o contrário, mude a vida de um e do outro totalmente para melhor, deixando cada dia um melhor que o outro, trazendo felicidade sempre que se vê certa pessoa e aquelas borboletas na barriga, e uma sensação de quando se está junto o mundo todo a volta desaparece e se torna um paraíso, e para achar uma pessoa certa é preciso muito sofrimento e esforço porque neste mundo existem poucas pessoas boas que se merecem uns aos outros, que relamente se completam, seja em ideias e sentimentos, quando se encontra alguém assim é a tal, sem nunca duvidar, muitas vezes já pensei achar a tal mas nunca consegui, era sempre algo de curta duração por vezes com muito sentimento mas nada que me fizesse ficar extremamente apaixonado, agora penso que isso está acontecer, mas tempo tudo dirá Amar as vezes também poder ser algo que pensa que se sente mas no fundo é apenas um sentimento falso, pouca gente sabe o que é amar realmente é ter o sentimento ao saber que tem alguém a seu lado para ajudar em todos os momentos, sejam maus ou bons Amor também pode ser uma arma letal, que entra na cabeça e muda tudo, para melhor ou pior, sobrepondo-se a qualquer outro sentimento existente momento, e acaba por ir matando lentamente por dentro tudo que já exista, e instaurando uma grande tristeza por dentro que por vezes pode ser momentânea, e por outras vezes pode perdurar por muito mais tempo, ao saber que a outra pessoa pode estar a enganar em relação a tudo que sente diz e apenas quer algo sem significado e nenhuma seriedade, ao saber disso destrói totalmente tudo que existe em relação a ela Neste mundo existe pouca gente boa que é capaz de realmente amar e proporcionar um amor verdadeiro e feliz, onde não existe mentiras nem traições, apenas conversas sinceras e uma grande confiança em relação a tudo, mas existe sempre quem não faça isso, existe quem mente compulsivamente para enganar e ter a outra pessoa na sua mão e poder controlá-la para fazer o que quer dela o que totalmente errado e desrespeito com outro, que se compremeteu em algo sério e sincero e no fundo está a ser apunhalado pelas costas múltiplas vezes sem saber
submitted by Famous-Rabbitz to desabafos [link] [comments]


2020.10.26 01:45 pedropriotto Uma mensagem pra todos os solitários, auto estima baixa, envergonhados.

Leio muito nesse sub gente se colocando pra baixo, gente com problemas em ter amigos e se relacionar com pessoas, gente que tem a auto estima baixa, não curte seu próprio corpo, e eu acredito que talvez eu possa amenizar um pouco sua dor e tentar te dar uma solução.
Acontece que todos esses problemas se resolvem da mesma maneira;pois todos eles partem do mesmo princípio. Tem um psicólogo e professor de psico muito bom, que se chama Jordan Peterson. Ele diz o seguinte: se você quer que sua vida tenha significado, entenda que você pode sempre pode melhorar, em todas as áreas da sua vida . Faça uma autoavaliação e pense: oque eu posso mudar em mim, nos meus hábitos, no meu quarto, no meu comportamento, na minha saúde, no meu corpo que vai me deixar melhor doque eu estou hoje?
A partir daí, você toma as rédeas da sua vida. Isso é muito importante pra você desenvolver respeito consigo mesmo. Como vc vai deixar de ser envergonhado, como vc vai ter uma autoestima alta se você não se respeita?
Análise essas áreas da sua vida: relacionamento; corpo/ saúde; trabalho.
Eu era gordo e feio. pura e simplesmente isso. Eu culpava o mundo é me vitimizava, eu sentia pena de mim mesmo por ser do jeito que eu sou, esse modo de pensar é completamente sem esperança, pois eu achava que sempre seria assim. Acontece que a vida me fez perceber que quem faz as escolhas sou eu , e quem arca com as consequências delas também sou. A partir daí, eu mudei. Comecei a mudar, e estou em mudança. Mudei meu corpo. Fiquei bonito. As vezes você não é feio, vc só e gordo mesmo. Perder gordura ajuda na cara tbm kkk( e mewing, pesquise).
Enfim, comecei a me desenvolver muito, estudar sobre tudo oque envolve a melhora do indivíduo, tudo oque eu poderia estar fazendo para ser melhor que ontem. Hoje eu estou nessa fase de relacionamentos também. Eu sou bonito e sou gostoso, mas eu simplesmente não sei conversar com pessoas de maneira que eu consiga me conectar com elas, e eu literalmente nao tenho mais que 1 amigo verdadeiro. Não vou prolongar muito, mas caso alguém queira conversar sobre qualquer coisa, estou aqui
submitted by pedropriotto to desabafos [link] [comments]


2020.10.25 17:48 JGPeres19 Então amigo

Então amigo, acho que seu comentário/postagem foi um pouco cringe, o tal termo cringe abrange varios fatores importantes a serem levados em conta, como o tom que será usado no post sendo irônia ou como uma crítica mais cetica sobre a nossa sociedade, entenda que cringe também é tudo aquilo que causa aquele pequeno desconforto chamado por proficionais na área da psicologia de vergonha alheia, dentro dessa classe de entre aspas memes estão os tik toks, e em geral postagens feitas por mulheres, lembrando que não importando as circunstâncias, mulheres não são engraçadas. Tente também adicionar um toque do humor nascido na internet chamado "shitpost", onde como o nome já diz são postagens de merda, não interessa se a piada realmente tenha graça ou não, oque importa é que ela não tenha sido feita por uma mulher. O Shitpost é o grito desesperado de homens que vivem em um mundo em colapso prestes a conhecer seu fim trágico como sociedade já que como eu já disse antes, foi arruinada pelas mulheres. Quando temos uma sociedade que faz uso da sua consciência lara fazer uma análise superficial da vida e seus atributos sociais se vê que a religião possívelmente é a verdadeira causa de majoritária parte de nossos problemas em sociedade. Também acho que pdoe ter sido muito bluepillzada, oque é bluepill você me pergunta? O homem que toma a tão falada bluepill é aquele homem que ainda vive na ilusão de um dia viver um amor verdadeiro ao invés da dura verdade de que relacionamentos heteros cis são não mais. Passou longe de ser uma redpillzada, veja bem, você poderia adaptar uma visão mais niilista como Rick and Morty, veja que na série são existem várias piadas niilistas sobre a falta de sentido em fazer qualquer coisa através do personagem super complexo do Rick Sanchez, o Rick representa essa visão bem Blackpillzada que é o que falta na sua postagem. Embora nós aqui no grupo não tenhamos tomado a blackpill, nós apoiamos toda e qualquer corrente filosófica contraria a união de homens e mulheres na mesma relação. Você também precisa ver a vida por um ponto de vista MGTOW tendo em vista que o feminismo estragou as mulheres em nossa sociedade e levando-nos a ao niilismo similar ao de Rick, levamos em conta os fatos que as mulheres hoje não mais querem ser submissas a seus maridos assim estragando nossos planos de sermos homens de família. Os emojis são uma parte extremamente importante da piada ainda mais quando você vai fazer algo aqui no nosso grupo MGTOW redpill, se não for uma redpillzada faça pelo menos uso da blackpillzada total e não esqueça de fazer piadas com pessoas menos favorecidas para ficar mais based. Based seria algo com muito bom embasamento já que a origem do termo vem do inglês com o mesmo significado, based não necessariamente é uma opinião construída com muito esforço oi estudos, mas sim uma opinião com grande quantidade de likes e comentários de apoiadores em redes sociais, principalmente o reddit é o ifunny.
submitted by JGPeres19 to emojipasta [link] [comments]


2020.10.02 20:07 CasaGolden A escolha do favor de Sansa: o caso de Sor Byron, o Bonito ( Parte 1)

“Quem pediria o favor de uma bastarda?
Harry, se ele tiver a sabedoria que os deuses deram para um ganso... mas não dê para ele. Escolha algum outro galante. Você não quer parecer muito ansiosa.” (TWOW, Alayne I)
Tal é o conselho que Mindinho da para Sansa Stark, agindo como sua filha bastarda Alayne Stone, quando ela se encontra com ele nos Portões da Lua depois da chegada do seu prometido Harry, o Herdeiro. Não é a orientação habitual que alguém pensaria que um pai daria para sua filha, mas este não é um relacionamento tradicional de pai/filha e Petyr não é um mentor ordinário. Enquanto ele não especifica o “galante” que Sansa deveria entregar seu favor, o raciocínio dele é claro: ele quer que ela encante e provoque Harry, mas ainda mantendo alguma aparência de preferência absoluta, para assim manter o Jovem Falcão encantado e interessado. Quando mais tarde ela dança com Harry no banquete pré-torneio, nós vemos que Alayne aceitou as palavras do pai no coração; ela está decididamente mais ousada e brincalhona com Harry, questionando ele sobre suas crianças bastardas, suas mães, e fazendo comentários bem sugestivos sobre ela ser toda a “pimenta” que ele vai querer. O infeliz Harry, previsivelmente em transe, pede pelo favor de Alayne, mas ela nega pra ele dizendo “Você não. Está prometido... para outro”.
Quem será esse “outro” tem intrigado o fandom desde o lançamento da amostra do capítulo há cinco anos. O capítulo não contem maiores revelações ou cenas dramáticas, mas este final age como certo cliffhanger, criando expectativas nos leitores de que o favor de Alayne terá um considerável significado narrativo. Ao escolher seu cavaleiro, nós sabemos que Alayne tem muitas opções, como Martin nos dá a litania de potenciais escolhas da lista de parceiros de dança no banquete, e, não esqueçamos, a conversa com dois personagens imprevisíveis que ela teve mais cedo naquele dia: Sor Shadrich de Vale Sombrio e Sor Lyn Corbray de Lar do Coração. Enquanto Sor Lyn continua sendo um candidato viável, por mais volátil e arriscado que ele seja, podemos excluir Sor Shadrich por enquanto, pois ele diz a Alayne e Myranda que não pretende competir no torneio.
É claro, os leitores sabem que o Rato Louco tem procurado pela Sansa Stark por um bom tempo, finalmente integrado nos serviços de Mindinho como cavaleiro andante ao lado de outros dois, e conhecendo Sansa depois que ela partiu do Ninho da Águia em seu capítulo final de AFFC. Como as conversas no pátio de treino revelam, Sor Shadrich agora sabe que a filha bastarda do Lorde Protetor é realmente a garota Stark desaparecida, e enquanto seu propósito anunciado fosse ganhar a recompensa pelo retorno dela para Porto Real, os leitores ainda estão incertos sobre suas verdadeiras motivações e o que ele irá decidir com essa descoberta. O favor de Sansa, operando neste viveiro fervente de tensões crescentes e subterfúgios, não é mais relevante como um mero gesto de cortesia, mas agora é uma potencial mudança de estratégia nos jogos por um jogador emergente.
Assim, qual cavaleiro seria a melhor decisão estratégica, tanto da perspectiva de Sansa (estando atenta ao crescimento de seu personagem) e de uma consideração mais ampla dos desenvolvimentos da trama envolvendo outros personagens e eventos? Essas questão nos leva seriamente a considerar Sor Byron o Bonito, o cavaleiro andante que nós vemos primeiramente como um do trio de homens que Mindinho contrata para seus serviços no fim de AFFC.
Para começar, uma pequena confissão é necessária: Esta teoria deve seu desenvolvimento à minha frustração em tentar descobrir a verdadeira identidade de Sor Byron, já que estou trabalhando a partir do pressuposto de que Sor Morgarth e Sor Shadrich estão operando sob falsos pretextos no que se refere às suas verdadeiras identidades / propósitos em vir para o Vale de Arryn. Já sabemos que Sor Shadrich está escondendo o fato de que estava procurando por Sansa, mas será que ele também poderia ser outra pessoa, ainda uma figura desconhecida que tem seus próprios motivos nessa busca? Uma teoria popular no fandom sugere que ele é Howland Reed, mas isso está fora do escopo de nossa investigação por enquanto. Com relação a Sor Morgarth, uma de nossas teorias “malucas” aqui em Pawn to Player alega que ele é realmente o Irmão Mais Velho da Ilha Quieta. Faz sentido narrativo, portanto, que Byron também não seja quem aparenta ser, e certamente não está lá para prestar serviço leal ao Senhor Protetor.
Um aspecto importante dessa teoria é que esses cavaleiros andantes parecem estar trabalhando juntos. Com a exceção do momento em que Sansa encontra Shadrich sozinho no pátio no capítulo liberado de TWOW, Martin reforça a imagem de três homens como uma unidade desde a primeira aparição deles no solar de Mindinho até a última aparição deles dançando com Alayne no banquete:
Exatamente como Petyr prometera, os jovens cavaleiros se amontoavam ao redor dela, disputando seu favor . Depois de Ben veio Andrew Tollett, o belo Sor Byron, Sor Morgarth do nariz vermelho, e Sor Shadrich, o Rato Louco. (TWOW, Alayne I)
Em particular, Martin parece querer que nos concentremos em suas aparências, quase como se houvesse pistas a serem discernidas dessas descrições. Isso ecoa nossa primeira introdução a eles em AFFC, quando os leitores deveriam reconhecer imediatamente o astuto Sor Shadrich:
Alayne o abraçou obedientemente e lhe deu um beijo na face.
– Lamento incomodar, pai. Ninguém me disse que tinha companhia.
– Você nunca incomoda, querida. Estava agora mesmo contando a esses bons cavaleiros como minha filha é atenciosa.
– Atenciosa e bela – disse um jovem e elegante cavaleiro, cuja espessa cabeleira loira caía em cascata até bem depois dos ombros.
– Sim – disse o segundo cavaleiro, um indivíduo entroncado com uma espessa barba salpicada de branco, nariz vermelho, proeminente e com veias rebentadas, e mãos nodosas, grandes como presuntos. – Não mencionou essa parte, senhor.
– Eu faria o mesmo se ela fosse minha filha – disse o último cavaleiro, um homem baixo e seco, com um sorriso sardônico, nariz pontiagudo e hirsutos cabelos cor de laranja. – Especialmente perto de homens grosseiros como nós.
Alayne riu.
– São grosseiros? – disse, brincando. – Ora, e eu que os tomei por galantes cavaleiros. (AFFC, Alayne II)
Deixando de lado seus atributos físicos por enquanto, devemos também prestar atenção em como suas respostas "coordenadas" e preparadas para a chegada de Alayne parecem ser. Não há hesitação ou demora. Um após o outro, cada um constrói a afirmação do outro, terminando com o comentário sugestivo de Shadrich sobre "grosseiros como nós". O que temos é uma impressão singular dos três cavaleiros, apesar de suas descrições variadas, levando a uma conclusão razoável de que eles decidiram combinar seus esforços e recursos para um objetivo comum. Se o objetivo é simplesmente sequestrar Sansa e devolvê-la ao cativeiro em KL como Shadrich fez Brienne acreditar, então a presença do Irmão Mais Velho como Morgarth certamente prejudicaria esse empreendimento. Além disso, embora Shadrich tenha se oferecido para dividir sua recompensa com Brienne, a exigência de dividi-la em três partes pareceria menos do que ideal, para não falar do risco de envolver tipos mercenários não confiáveis ​​que poderiam tentar roubar Sansa e ganhar o resgate total por si mesmos. Não somos informados dos detalhes de como exatamente eles foram contratados por LF em Vila Gaivota, mas que todos os três parecem confortáveis ​​na companhia um do outro é notável e sugere algum tipo de familiaridade ou conexão anterior.
Sor Byron, pela própria natureza de como Martin o descreve, é o mais fácil de ignorar, especialmente à luz das experiências de Sansa, que a ensinaram que exteriores dourados e belos muitas vezes podem ser enganosos, e que é muito melhor julgar alguém em seu caráter e ações. O fato da aparência de Byron lembrar um típico Lannister é provavelmente uma escolha autoral deliberada, destacando como Sansa não está mais cega ou mesmo atraída por esse ideal de beleza - que lhe causou considerável sofrimento e dor. Mas o que fazemos com Byron e por que ele está incluído neste grupo de potenciais ajudantes de Sansa se neste estágio de desenvolvimento dela ele parece ser evidentemente o cara errado? Ao tentar descobrir sua identidade, eu rapidamente percebi que poderia ser mais benéfico se concentrar no papel específico que ele poderia desempenhar na trama e é aí que a ideia de ele ser aquele a receber o favor de Alayne tomou forma.
A partir do momento em que conhece Alayne, Byron desempenha o papel do cavaleiro arrojado, elogiando sua aparência e beijando sua mão ao sair da sala. Ela o descreve como "elegante" e "jovem" e, mais tarde, no banquete, como "bonito". Não há sentido, no entanto, que o interesse de Alayne em Sor Byron vá além de sua apreciação do fato de que ele foi contratado para reforçar a guarda de LF nos Portões. Então, por que ela o escolheria para usar seu favor de todas as outras opções disponíveis? A razão mais óbvia é que ele é a escolha perfeita para atingir seu objetivo aparente de deixar Harry, o Herdeiro, com ciúmes, como LF a aconselha a fazer durante a conversa nas caves. Por conta própria, Sansa poderia dar seu favor a alguém como Sor Wallace, filho de Anya Waynwood, por quem ela claramente tem empatia e procura salvar do constrangimento quando ele dança com ela no banquete. Ou outra escolha poderia ter sido Sor Lyn Corbray, a quem ela aprecia como um lutador cruel e certamente deixará sua marca no torneio. Que Sor Lyn Corbray pode não ser mais leal a seu pai é algo que desperta a curiosidade de Alayne, um conhecimento potencial que ela poderia explorar no futuro. No entanto, Sor Wallace e Sor Lyn provavelmente não deixarão Harry com ciúmes, já que o primeiro é alguém com quem ele cresceu durante toda a vida, que é estranho e tímido, enquanto o último é conhecido por não se interessar pelos encantos das mulheres , e cuja seleção só pode servir para disparar os alarmes de LF. Byron, com sua notável boa aparência, porte elegante e modos corteses é o cavaleiro ideal para fazer Harry se sentir irritantemente inseguro. Depois de sua rápida conversa com Harry no banquete, Sansa soube ainda melhor do que antes que ele é um tipo superficial, que valoriza a aparência acima de tudo pela maneira como fala sobre seus amantes e, ao mesmo tempo, alguém que é bastante fácil de manipular. Sua primeira impressão de Harry é reveladora:
Sor Harrold Hardyng era um futuro senhor em cada centímetro; proporcional e bonito, aprumado como uma lança, duro de músculo. Homens com idade suficiente para terem conhecido Jon Arryn em sua juventude diziam que Sor Harrold tinha sua aparência, ela sabia. Ele tinha um tufo de cabelo loiro-areia, olhos azuis pálidos, nariz aquilino. Joffrey também era gracioso , ela lembrou a si mesma . Um monstro gracioso, é isso o que ele era. O pequeno Lorde Tyrion era mais gentil, mesmo retorcido. (TWOW, Alayne I)
Ainda não vimos nenhuma evidência de que Harry é um "monstro atraente"da mesma forma que Joffrey, mas a comparação é significativa. Isso ressalta o tema de aparência versus realidade que percorre o arco de Sansa e enfatiza a ironia de Byron ser o único a receber seu favor neste momento. Ao contrário da Sansa de antigamente, que se derreteu pelo Cavaleiro das Flores durante o Torneio da Mão, esta Sansa poderia escolher um cavaleiro valente para um propósito totalmente diferente, usando seu favor não como uma declaração decorativa de afeto, mas como uma isca deliberada. Isso se alinha perfeitamente com o papel secreto em que Sor Byron já poderia estar envolvido, e torna não apenas Harry, mas também Petyr Baelish, como as figuras enganadas. A escolha de Sor Byron uniria a relevância desses misteriosos cavaleiros errantes e apresentaria uma oportunidade para Sansa descobrir seu verdadeiro propósito. Até agora, os três parecem estar se mantendo discretos, mas os comentários de Sor Shadrich a Sansa no pátio sugerem que ele está planejando agir em breve. A escolha de Sor Byron, apesar de Sansa não ter conhecimento do que eles planejam ainda, pode ser vista como uma bênção simbólica de sua missão clandestina. Também expande o espectro da influência que ela tem exercido desde o planejamento até a execução do torneio dos cavaleiros alados.
submitted by CasaGolden to Valiria [link] [comments]


2020.09.25 21:14 Vedovati_Pisos Veja aqui razões e dicas para você comprar um cavalo

Veja aqui razões e dicas para você comprar um cavalo
Está pensado em comprar um cavalo, mas tem dúvidas sobre esse investimento?
Antes de comprar o seu primeiro cavalo é importante considerar qual é o tipo ideal para você, e ter todas as informações necessárias antes de trazer o cavalo para casa.
Não, cavalos não são um investimento barato. E sim, eles exigem cuidado, tempo e atenção.
Se você está pensando se deveria comprar um cavalo, provavelmente está considerando diversos fatores como valor, tempo disponível e até mesmo vantagens de ter o animal.
Acredite, muitas pessoas já estiveram antes nessa mesma situação de dúvida. Mas tomaram a decisão e desfrutam hoje de muitos dos benéficos de um proprietário de cavalo.
Antes de comprar seu primeiro cavalo ou pônei, é importante levar em conta antes de tudo para qual finalidade quer um cavalo, qual o montante de dinheiro disponível e com isso, poderá escolher a raça ideal para você, pois cada raça de cavalo possui suas particularidades morfológicas, uma índole típica, como também as suas aptidões para o trabalho, esporte ou para o lazer e andamentos variados.
Cavalo ou pônei?
A sua altura, idade e experiência são os primeiros fatores a considerar. Genericamente falando, as crianças se dão melhores com pôneis e os adultos com cavalos. Mas isso não é uma regra. Uma pessoa adulta de pouco peso pode se sentir confortável com um pônei mais robusto. Em contrapartida, um adolescente alto pode se dar melhor com um cavalo mais baixo. O tamanho é importante porque a forma como você monta o cavalo afeta diretamente o desempenho e a habilidade da cavalgada.
Cavalo experiente ou novato?
A compra de um cavalo já treinado e experiente ou um novato que ainda não foi treinado depende de você. Se você for um cavaleiro iniciante, um cavalo já treinado e que está acostumado com a sela é mais recomendado, seja para um passeio simples ou para saltos com obstáculos. As coisas ficam muito mais fáceis e mais prazerosas se o seu cavalo já tiver o treinamento no segmento que você deseja.
Já os cavaleiros experientes, por outro lado, terão mais satisfação ao domar e treinar seu cavalo. Ganhar seu primeiro prêmio em um campeonato é muito mais recompensador quando você ensinou ao seu cavalo tudo o que o levou à essa vitória.
Se você quer entrar em uma competição imediatamente, então é apropriado optar por um cavalo que já está treinado para o tipo de categoria que você deseja.
A raça do cavalo faz diferença?
Enquanto algumas raças são criadas para um tipo específico de trabalho, a maioria dos cavalos são adaptáveis e capazes de fazer o que você quiser. Alguns cavalos se encaixarão melhor em uns aspectos do que outros, obviamente. E tudo depende de qual atividade você deseja realizar com o equino.
Existem muitas raças diferentes de cavalos. Algumas são mais conhecidas, outras mais específicas.
Para ajudar na escolha certa, você deve conversar com criadores experientes e visitar alguns haras para saber exatamente qual o cavalo ideal para você.
8 razões para você comprar um cavalo
1 – Ajuda a manter a sua forma
Qualquer pessoa que cavalgue regularmente pode atestar o fato de que essa é uma excelente atividade física. Andar a cavalo é uma ótima maneira de se manter fisicamente ativo, especialmente na idade adulta. E se apenas cavalgar não for o suficiente, você pode fazer todas as tarefas de celeiro como um desafio extra.
2 – Seu cavalo vai economizar o dinheiro da terapia
Cavalos oferecem um grande alívio para o stress, e cavalgar no campo é a maneira perfeita de esquecer seus problemas – sejam eles profissionais ou pessoais. Os cavalos são ótimos terapeutas e a conexão emocional que você desenvolverá com o animal será intensa.
3 – Cavalgar é uma grande atividade social
Quando você vai até a baia do seu cavalo, no celeiro, é certo que acabará interagindo com outros donos, cavaleiros e treinadores. Ao andar e cuidar do seu cavalo, você terá a chance de interagir e socializar com outras pessoas. Amplie seu círculo social e agende cavalgadas com seus novos amigos.
4 – Seu cavalo pode lhe ajudar a ter mais autoconfiança
Os cavalos podem ser poderosos impulsionadores de autoconfiança. Conforme você desenvolve sua habilidade de cavalgar e constrói uma conexão com seu cavalo, a sua autoconfiança aumenta. E você poderá empregar essa confiança em outras áreas da sua vida, como no trabalho ou nos relacionamentos.
5 – Seu cavalo lhe ensinará dedicação
Cavalos exigem uma grande quantidade de tempo e atenção. E se você quer ser um cavaleiro de sucesso, a única maneira de fazer isso é trabalhando duro. Ter um cavalo vai lhe ensinar o verdadeiro significado de dedicação.
6 – Seu cavalo é um investimento de longo prazo
Claro, cavalos não são baratos, mas ao fazer esse investimento, você poderá desfrutar dele por muitos anos. É um investimento que lhe trará ótimos retornos com o passar do tempo.
7 – Cavalos constroem confiança
Quando você possui um cavalo, precisará construir confiança. Seu cavalo precisará aprender a confiar em você, e você precisará aprender a confiar no seu cavalo. Comprar um cavalo pode ajudar você a desenvolver mais confiança e paciência durante o processo, e essa é uma ótima forma de aprender a confiar em outras pessoas, também.
8 – Cavalos são recompensadores
Apesar de todo o trabalho duro, tempo e dedicação que eles exigem, os cavalos são extremamente recompensadores. Seja para se participar de corridas e campeonatos ou apenas para cavalgar em momentos de lazer, ter um cavalo é uma experiência recompensadora.
Onde encontrar o cavalo ideal para mim?
A busca pelo cavalo ideal pode ser longa e árdua se você não souber por onde começar. Não basta decidir por um cavalo ou pônei, é preciso escolher a raça certa.
Um bom ponto de partida são as associações de criadores de cavalos. Cada raça conta com uma associação específica onde você pode obter todas as informações necessárias a respeitos dos cavalos, suas aptidões e características. É uma forma de ter mais conhecimento a fim de fazer a escolha certa na hora da compra.
E, naturalmente, você não deve negligenciar os milhares dos cavalos que são anunciados para venda nos sites e publicações especializadas em cavalos, além dos que são vendidos em leilões. Isso pode consumir bastante tempo, mas muitos cavalos excelentes são vendidos desta forma.
Podem ser necessários alguns telefonemas e visitas antes de tomar uma decisão, mas, no final, você encontrará o cavalo ideal e poderá desfrutar de todos os benefícios que ele oferece.
Para te ajudar, confira abaixo uma tabela com as principais raças brasileiras e os sites das respectivas associações:

https://preview.redd.it/d2kmb8ldfcp51.jpg?width=1225&format=pjpg&auto=webp&s=d40ede4391f0e08921c3b3d2c40a8078462e8bde

https://www.vedovatipisos.com.bnoticias-artigos/comprar-um-cavalo/
submitted by Vedovati_Pisos to u/Vedovati_Pisos [link] [comments]


2020.02.08 00:45 altovaliriano Quem mandou Mandon Moore matar Tyrion?

Texto original: https://www.reddit.com/asoiaf/comments/1c8sa9/spoilers_all_complete_analysis_who_was_mandon/
Autor: Galanix (moderador do asoiaf)
Título original: Complete Analysis: Who was Mandon Moore's Blackwater patron?

Durante a Batalha da Água Negra, Sor Mandon Moore tenta matar Tyrion na ponte de navios, mas falha devido à intervenção de Podrick Payne. Depois, Tyrion parece totalmente convencido de que Cersei foi quem colocou Moore nisso, mas não acredito que este seja esse o caso.

QUEM FOI MANDON MOORE?

Jaime o descreveu como um dos homens mais perigosos da Guarda Real, porque seus olhos não revelavam nada. Ele geralmente não era querido e até riu de Barristan depois que este foi expulso da Guarda Real. Durante a revolta em Porto Real, após a partida de Myrcella, Mandon abandonou Sansa (a quem ele foi encarregado de proteger) e, em vez disso, protege Joffrey. Tyrion mais tarde o repreende por isso.
Varys nos dá a melhor panorama sobre Sor Mandon quando Tyrion o questiona:
Bronn tinha desenterrado tudo que pôde sobre Sor Mandon, mas não havia dúvida de que Varys poderia lhe dizer muito mais... se decidisse dividir o que sabia.
– O homem parece ter sido bastante desprovido de amigos – disse Tyrion, com cautela.
– Lamentavelmente – disse Varys –, oh, lamentavelmente. Talvez conseguisse encontrar alguns familiares se revirasse algumas pedras no Vale, mas aqui... Lorde Arryn trouxe-o para Porto Real e Robert deu-lhe seu manto branco, mas temo que nenhum dos dois gostasse muito dele. Nem era o tipo de homem que os plebeus aplaudem nos torneios, apesar de sua indubitável perícia. Ora, até seus irmãos da Guarda Real nunca chegaram a nutrir por ele amizade. Certa vez, ouviram Sor Barristan dizer que o homem não tinha nenhum amigo fora a espada e nenhuma vida para além do dever... mas, entenda, não creio que Selmy dissesse isso inteiramente como elogio. E isso é estranho, se pensarmos no assunto, não é? Daria para dizer que são essas as exatas qualidades que procuramos para a nossa Guarda Real... homens que não vivem para si, mas para o seu rei. Visto sob essa luz, nosso bravo Sor Mandon era o perfeito cavaleiro branco. E morreu como um cavaleiro da Guarda Real devia morrer, de espada na mão, defendendo um homem do sangue do rei. – O eunuco brindou-o com um sorriso bajulador e observou-o atentamente.
Tentando assassinar um homem do sangue do rei, você quer dizer. Tyrion perguntou-se se Varys saberia mais a respeito do que estava dizendo.
(ASOS, Tyrion II)
A partir disso, sabemos que Sor Mandon veio originalmente do Vale e foi trazido a Porto Real por Jon Arryn. Também vemos que ele tinha poucos amigos e aparentemente não tinha lealdade, a não ser ao seu próprio dever. Quem o mandou matar Tyrion? Vamos explorar os candidatos ...

MOTIVOS PRÓPRIOS

É possível que Sor Mandon tenha matado Tyrion por sua própria vontade. Ele é geralmente um personagem não reativo, mas alguém poderia poderia arguir que Tyrion o antagonizou. Sor Mandon estava aparentemente familiarizado com Sor Vardis Egen - o homem que Bronn matou no julgamento de Tyrion no Ninho da Águia. Essa informação é usada para zombar de Ser Mandon quando Tyrion o conhece:
– Sor Mandon, não conhece os meus companheiros. Este é Timett, filho de Timett, Mão Vermelha dos Homens Queimados. E este é Bronn. Lembra-se de Sor Vardis Egen, que era capitão da guarda doméstica de Lorde Arryn?
– Conheço o homem.
Os olhos de Sor Mandon eram cinza-claros, estranhamente descorados e sem vida.
– Conhecia – corrigiu Bronn, com um fino sorriso. Sor Mandon não se rebaixou a mostrar que o tinha ouvido.
(ACOK, Tyrion I)
Mais tarde, Sor Mandon é designado como guarda pessoal de Sansa quando ocorre a revolta após a partida de Myrcella. Tyrion o repreende e a Sor Boros por não terem protegido:
– Sor Mandon, você era o escudo dela.
O homem permaneceu impassível: – Quando atacaram Cão de Caça, pensei primeiro no rei.
[...]
Tyrion tinha engolido o máximo que conseguia.
– Que os Outros levem a porra de seus mantos! Tire-o, se tem medo de usá-lo, maldito imbecil… Mas encontre Sansa Stark ou, juro, mandarei que Shagga abra essa sua cabeça feia para ver se há alguma coisa aí dentro além de chouriços.
(ACOK, Tyrion IX)
Com base nas citações acima, é possível que Sor Mandon tivesse ressentimento de Tyrion e decidiu lidar com o assunto por conta própria no Água Negra. No entanto, não acho que Sor Mandon seja do tipo que tome uma atitude tão ousada contra alguém da família real sozinho. Além disso, essa é a opção apresenta com menos significado literário e tudo me parece fútil se ninguém mais estiver por trás disso.

CERSEI

Claramente, Cersei tinha os motivos para matar Tyrion. Em geral, havia pouco amor entre os dois. Ele havia recentemente tomado Tommen como refém, mandado Myrcella para Dorne e ela acreditava que ele era seu valonquar .
O próprio Tyrion acredita que ela é a opção da mais óbvia:
Cersei deve lhe ter pago para se assegurar de que eu nunca voltaria da batalha. Por que outro motivo teria feito aquilo? Nunca fiz a Sor Mandon nenhum mal, que eu saiba. Tyrion tocou o rosto, puxando a carne esponjosa com dedos grossos e desastrados. Outro presente de minha querida irmã.
(ACOK, Tyrion XV)
Ali, na Fortaleza de Maegor, todos os criados eram pagos pela rainha, e por isso qualquer visitante podia ser outra das marionetes de Cersei, enviada para acabar o serviço que Sor Mandon tinha começado.
[...] Já estive aqui duas vezes e encontrei-o morto para o mundo.
– Morto, não. Embora minha querida irmã tenha tentado. – Talvez não devesse ter dito aquilo em voz alta, mas Tyrion já não se importava. Cersei estava por trás da tentativa de Sor Mandon de matá-lo, sabia disso emseu âmago.
(ASOS, Tyrion I)
No entanto, existem algumas razões pelas quais acho que Cersei não é a melhor opção:
Até Tyrion achou estranho que Cersei usasse Ser Mandon em vez dos outros três:
Sabia que Sor Meryn e Sor Boros pertenciam à irmã, e mais tarde Sor Osmund, mas permitira-se acreditar que os outros não tinham sido completamente perdidos pela honra.
(ACOK, Tyrion XV)
Além disso, quando Lancel relata a Cersei sobre o estado da batalha, ela diz para ele comunique a Tyrion como se esperasse que ele ainda estivesse vivo:
Quando Sor Lancel Lannister disse à rainha que a batalha estava perdida, ela virou a taça de vinho vazia que tinha nas mãos e disse: – Vá dizer isso ao meu irmão, sor – sua voz soava distante, como se a notícia não lhe interessasse grandemente.
(ACOK, Sansa VII)
Além disso, se Cersei queria que Tyrion morresse, matá-lo enquanto ele protegia a cidade e sua própria família parece estar fora do compasso até para ela. Mas se não foi Cersei, quem teria sido?

QUEM MAIS?

Tyrion certamente tinha seu quinhão de inimigos além de Cersei. Muitas pessoas tinha motivo para matá-lo:
Eu não acho que era qualquer uma das pessoas acima. Tywin estava fora guerreando e parece estranho nomear Tyrion como Mão para consertar as coisas apenas para matá-lo em um momento de incerteza. Pycelle estava trancado em uma masmorra e não tinha nenhum relacionamento com Sor Mandon até onde sabemos.
Joffrey certamente poderia ter ordenado a Sor Mandon e, tão cumpridor de seu dever como Mandon era, ele pode ter executado a ordem. Não há nenhuma evidência real a favor ou contra Joffrey, apenas considero esta uma escolha chata e sem inspiração.
Além disso, Joffrey estava cagando nas calças de medo durante a batalha e ele não queria Tyrion morto naquele momento em particular, porque o anão parecia ser o único capaz de manter a ordem das coisas.
Assim, restam duas pessoas que geralmente parecem estar por trás de tudo...

VARYS

Sabemos que a motivação de Varys neste ponto da história era enfraquecer o reino para que Aegon pudesse conquistá-lo mais facilmente. Mais tarde, ele mata Kevan por ser uma Mão muito competente e, sem dúvida, manipulou as circunstâncias para que Tyrion matasse Tywin pelas mesmas razões. Talvez ele quisesse matar Tyrion no Água Negra por ser uma mão competente também.
Desde a primeira citação acima, vimos que Tyrion suspeita que Varys sabe mais do que está falando sobre Sor Mandon. Há também a fala sobre como Varys "O eunuco brindou-o com um sorriso bajulador e observou-o atentamente.". Então, se Varys sabe mais do que está dizendo, por que ele está escondendo isso de Tyrion, a menos que ele seja o responsável?
Uma explicação é que, mesmo que Varys saiba que Mindinho fosse o mandante, serve a seus próprios interesses permitir que Tyrion pensasse que foi Cersei. Fica claro pelo que acontece mais tarde que Varys está preparando Tyrion para se tornar um ativo a ser usado em benefício de Aegon. Então, deixar Tyrion pensar que Cersei tentou matá-lo apenas promove a agenda de Varys, fazendo com que Tyrion se sentisse alienado de sua família e aumentasse sua probabilidade de se voltar contra eles.
Aparentemente, Varys não teve nenhum relacionamento com Sor Mandon, mas Varys é um agiota de informações, então ele possivelmente arranjou algo contra ele. Suponho que o tudo se resume a saber se você realmente acredita que Varys realmente queria Tyrion morto.
Eu sou da opinião de que ele estava preparando Tyrion para jogar a favor de seu time no segundo em que chegou a Porto Real, e não acho que ele quisesse acabar com uma peça tão valiosa quanto Tyrion ainda.
O que nos leva a ...

MINDINHO

Sor Mandon foi trazido do Val para Porto Real junto com Jon Arryn. Mindinho também foi levado a corte por Jon Arryn na mesma época, por isso é lógico que Mindinho e Sor Mandon tivessem algum tipo de relacionamento. Varys diz sobre Sor Mandon que " Lorde Arryn trouxe-o para Porto Real e Robert deu-lhe seu manto branco, mas temo que nenhum dos dois gostasse muito dele.". Se Jon Arryn nem sequer gostava de Sor Mandon, é bem possível que ele tenha entrado no serviço de Jon Arryn por recomendação de outra pessoa, e essa outra pessoa talvez fosse Mindinho.
Mindinho esteve em Ponteamarga durante a maior parte do tempo que antecedeu a Batalha do Água Negra, por isso levanta a questão de saber se ele poderia ter enviado a ordem a Sor Mandon para matar Tyrion. Com base em como ele foi capaz de comunicar instruções a Sansa via Dontos em Tormenta de Espada, podemos assumir que ele poderia ter enviado a ordem a Ser Mandon. Se não foi através do Dontos, teria sido através dos Kettleblacks, um dos quais (Osmund) está na Guarda Real com Sor Mandon.
Mas qual era o motivo de Mindinho? Em A Guerra dos Tronos, Mindinho diz a Catelyn que ele perdeu sua adaga valiriana de punho de osso de dragão (a mesma usada pelo fracassado assassino de Bran) em uma aposta para Tyrion. Isso se revelou uma mentira. A verdade é que Tyrion perdeu a adaga em uma aposta para Robert, e foi Joffrey quem deu a adaga ao assassino. É essa mentira que faz Catelyn prender Tyrion na Estrada do Rei.
Quando Tyrion chega a Porto Real como Mão, a questão da adaga surge com Mindinho:
– Essa também é uma bela faca.
– Ah, é? – havia travessura nos olhos de Mindinho. Puxou a faca e olhou-a num relance casual, como se nunca a tivesse visto antes. – Aço valiriano e um cabo de osso de dragão. Um poucosimples, no entanto. É sua, se quiser.
– Minha? – Tyrion deu-lhe um longo olhar. – Não. Penso que não. Minha, nunca – ele sabe, o canalha insolente. Ele sabe, e sabe que eu sei, e pensa que não posso encostar nele.
(ACOK, Tyrion IV)
Proteger essa mentira pode ser um motivo para Mindinho matar Tyrion, no entanto, ele não parece muito preocupado com isso. O fato de ele continuar carregando a adaga consigo na frente de Tyrion quase parece que ele o está provocando. A verdadeira mentira que Mindinho está tentando proteger vem mais tarde na conversa:
– Lysa é mais tratável do que Catelyn, sem dúvida… mas também mais temerosa, e, pelo que sei, odeia-o.
– Ela crê que tem bons motivos para isso. Quando fui seu hóspede no Ninho da Águia, insistiu que eu tinha assassinado seu marido e não se mostrou disposta a dar ouvidos a negações – Tyrion inclinou-se para a frente. – Se lhe entregar o verdadeiro assassino de Jon Arryn, poderá pensar melhor de mim.
Aquilo fez Mindinho endireitar-se.
– O verdadeiro assassino? Confesso que me deixa curioso. Quem tem em mente?
Foi a vez de Tyrion sorrir:
– Os presentes dou aos meus amigos, livremente. Lysa Arryn terá de compreender isso.
(ACOK, Tyrion IV)
Mindinho raramente é pego de surpresa e acho que Tyrion realmente o abalou aqui. A ironia é que Tyrion pensou que fora Pycelle quem envenenou Jon Arryn, não Mindinho. Mais tarde, Mindinho parece chateado quando descobre que Tyrion mentiu para ele sobre o noivado entre Myrcella-Robert Arryn:
– Gosto tanto de você como sempre gostei, senhor. Embora não aprecie que me façam de bobo. Se Myrcella se casar com Trystane Martell, dificilmente poderá se casar com Robert Arryn, não é mesmo?
– Não sem causar um grande escândalo – admitiu. – Lamento meu pequeno estratagema, Lorde Petyr, mas, quando conversamos, não tinha como saber que os homens de Dorne aceitariam minha oferta.
Aquilo não apaziguou Mindinho.
– Não gosto que mintam para mim, senhor. Deixe-me fora do seu próximo logro.
(ACOK, Tyrion VI)
Diante disso, fica claro que Mindinho tinha motivo, meios e oportunidade. Eu acho que ele é o candidato mais provável a ter ordenado a Sor Mandon que matasse Tyrion no Água Negra. É até possível que Mindinho tenha planejado que Tyrion fosse o culpado pelo assassinato de Joffrey mais tarde, o que seria a terceira vez em que ele tenta arruinar a vida de Tyrion.

TL; DR - Mindinho era quem estava por atrás de Mandon Moore na tentativa de matar Tyrion no Água Negra.

submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.07.21 20:54 ankallima_ellen As Aventuras de Gabi nas Terras do Estrogênio – Trigésima Sétima Semana

Ansiosa, esperava inquieta a iminente chegada. Fazia um ano que não os via. Já eles nunca assim haviam me visto. Era a primeira vez que nos encontraríamos desde que iniciei a minha transição. Expectativas? Muitas. Medos? Todos. Como seria a sua reação? Tratariam me com amor? Carinho? Respeito? Palavras ditas pelo telefone não carregam o mesmo peso e significado daquelas ditas olho no olho. É fácil fingir aceitação sem ter a linguagem corporal a lhe denunciar. Anos de transfobia velada cobravam seu preço. Mas as pessoas mudam, queria acreditar. Sobretudo quando há amor envolvido.

Precisava conquistar o meu espaço, a minha independência, a minha identidade. E por mais que meu consciente forçosamente calcado na lógica descartasse a necessidade de sua aprovação, minha alma ansiava. Queria muito mostrar o quão feliz estava. O quanto essa mudança salvou a minha vida. Era outra pessoa. Renascida das cinzas de um ser em frangalhos que apenas sobrevivia. Queria que percebessem que pela primeira vez em décadas estava viva. Talvez assim, tocasse seus corações e me amassem como sua filha.

O plano era louco, desvairado, já haviam me alertado. Passar uma semana viajando com meus pais. Visitar a família estendida. Longe de qualquer santuário. Sem nenhuma garantia. Longe daquela que foi o meu alicerce nesses últimos meses. Sozinha nessa imersão de sentimentos. Sujeitando-me a imprevisíveis intempéries. Misgendering e deadnaming eram minhas únicas certezas. Contudo, era o que precisava ser feito. Precisava romper essa última casca. Transpor a barreira que me aterrorizava há pelo menos um ano.

A chegada foi tímida. Sorrisos contidos. Abraços distantes. Almoçamos rapidamente num restaurante perto de casa antes de me juntar a eles e a estrada. O silêncio do almoço foi substituído por conversas amenas para distrair da chatice do trajeto. Mares de morros, desce serra, a baixada e finalmente sobe serra. Aos poucos fui relaxando e eles também. Não se parecia com o fim do mundo. Havia esperança. Como num rito de passagem, retornava à fatídica cidade de meu nascimento incorreto para renascer menina. Talvez fosse por isso que há eras teimava em visitá-la. Precisava fazer do jeito certo. Caminhar por aquelas ruas nevoentas entre canais despida daquela mentira. Livre enfim.

Logo na noite de nossa chegada, encontramos com primos da minha mãe. Cerveja e boa comida regadas a risadas e conversas leves. Nenhuma pergunta constrangedora. Parecia que tudo se passava como nada se passasse. Como se sempre houvesse sido assim. Claro, o nome morto foi invocado erroneamente algumas vezes, mas nada que não passasse de uma lapso mnemônico prontamente corrigido. Uma falha na matriz.

No dia seguinte, antes do almoço na casa da tia-avó, vaguei com meus pais por ruas que o tempo não parecia ter tocado. Eram exatamente como lembrava, apenas me pareciam as distância menores. E com o passeio vieram as memórias e conversas mais significativas. Percebiam minha felicidade reconquistada e a retribuíam. Sorrisos. Abraços. Carinho. Meu pai em toda a sua canhestrice emocional denunciou a luta que trava para aceitar o que o destino me reservou. Não se tratava da questão de aceitar quem eu era. Afinal, de acordo com sua doutrina espírita, espíritos não têm gênero e descem à Terra em todas as formas possíveis. Mas sim, de por que precisava ter sofrido tanto para me encontrar e como ele não percebera essa batalha que silenciosamente perdia.

Nesse clima espiritual, adentrei a Catedral de São Pedro de Alcântara. Lugar onde há 35 anos havia sido batizada. Devolvi o nome que não me representava e neguei os votos que me foram impostos. Livrava-me simultaneamente de dois estigmas que muito me martirizaram. Sem mais nenhuma conexão com a fé que só me ensinou o ódio. Lavei-me de seus pecados e sujeiras. Enfim, podia nascer Gabrielle sem o signo de nenhum deus falso. A única benção que importava era a minha mesma. Eu, deusa de mim.

Da montanha para o mar. Descer a serra para reencontrar outra tia-avó. Tenras lembranças das noites que sonhei em sua casa. Livre do olhar julgador, podia vestir as camisetas que me emprestava para dormir como camisolas. Alheia às questões de gênero que me aguardavam em um futuro não tão distante, podia, sem saber, fingir ser quem um dia me tornaria. A época não entendia o porquê dessa fascinação com esses raros pernoites, só que meus pais custavam a me arrancar desse santuário onde a minha feminilidade começou a florescer. Quase trinta anos depois, ela continuava linda, charmosa e requintada. O mesmo sorriso acolhedor de outrora, apesar das desventuras que a vida lhe pregou.

Também encontrei com a minha madrinha. Talvez a única coisa boa que a igreja me proporcionou. Amiga muito próxima da minha mãe. Fizeram faculdade juntas. Sem saber o futuro que me aguardava, não podiam meus pais ter feito escolha melhor. Não consigo estimar a importância que ela teve no processo de aceitação que minha passou recentemente. Só sei que ela foi crucial. Nada como a vivência de quem passou pela similar situação de aceitar a homossexualidade dos filhos e partilhou da vida de outras pessoas trans. Foi uma noite incrível. Certamente uma das melhores dessas curtas férias. Fazia tempo que não me sentia tão acolhida e à vontade na casa de outrem. Podendo ser eu mesma sem me preocupar com absolutamente nada.

Por dois dias passeie pela famosa praia. Na primeira vez, ainda repleta de vergonha me escondi dos olhares sob as roupas: uma camiseta branca e um shortinho roxo. Conversas com a minha mãe sobre a vida, futuro e passado enquanto vagávamos em direção ao forte. Na privacidade da caminhada, pude finalmente verbalizar algumas das mágoas, frustrações e outras problemáticas de um relacionamento oco. Ela me ouviu. Não gostou, mas concordou. Admitir os problemas é o primeiro passo para resolvê-los. Quem sabe assim possamos enfim criar um vínculo verdadeiro de mãe e filha. No segundo dia, tomada de uma coragem quase sobrenatural, vesti um biquíni e exibi minhas curvas aspirantes. Olhares. Muitos olhares. Não sei se lascivos ou somente curiosos. Certeza apenas, de que muitas mulheres me mediram dos pés à cabeça. Se alguém percebeu minha transexualidade, guardou para si, pois não sofri nenhuma discriminação, nem ouvi qualquer comentário transfóbico. Talvez seja essa apenas a experiência que uma mulher passa toda vez que vai à praia.

Enfim, fazia-se a hora de voltar por alguns dias para casa. Pegar os exames. Marcar a consulta com o endocrinologista. Pegar o RG novo. Contribuir com a minha vivência em gênero e ciência na aula de um amigo querido. Rever a amada. Recarregar um pouco as baterias emocionais, porque na semana seguinte iria fazer compras com a minha mãe. Coisa corriqueira de mãe e filha, mas completamente nova para mim. Experiência aparentemente trivial, mas essencial para quem não a teve no momento certo. Antes tarde do que nunca.

Uma excelente semana a tods! Em breve posto a continuação.

Beijocas,

Gabi
submitted by ankallima_ellen to transbr [link] [comments]


2018.05.19 15:38 rodrigoablima Livro: Alfa e Ômega - Uma Aventura nas Profundezas da Divindade Humana

CAPÍTULO 1 - A FUNDAÇÃO
Há incontáveis eras, um grupo de anciões, vitoriosos de batalhas anteriores, decidiram criar uma nova existência, pois se esgotaram as possibilidades e o mundo se tornou previsivelmente insuportável e tedioso. Além disso, em sua sabedoria acreditavam que, como antes, seria necessária uma renovação, bem como o desapego, aos resquícios e memórias do passado. A estes senhores, de nomes impronunciáveis com nossas gargantas primitivas, chamaremos de Arcontes da Alma, os famigerados Pais Arquetípicos, conhecidos na mitologia judaica como Elohim. Dentre estes senhores havia um que se destacava, por seu amor e justiça, sendo a expressão exata do Elevado, aquele que conheceu a primeira criação de todas as criações. Valente guerreiro e pai amoroso. O Verbo e Senhor dos vinte quatro Arcontes.
Sentados, em seus tronos, conversavam e planejavam os eventos que seriam vividos na nova origem. O lugar onde estavam era de beleza única e com uma atmosfera de poder e glória jamais imaginada por mortais, como eu e você. Um lugar que assusta e atemoriza qualquer criatura, impondo respeito aos seres das alturas, ou dos mais baixos abismos.
Todavia existia um lugar de maior significado e peso, um lugar inviolável, o santíssimo lugar, a morada do Eterno. Apenas o Pai e Filho do Verbo poderia adentrar neste ambiente e o fazia somente em ocasiões únicas, em importância e necessidade. Ali residia o Misterium Tremendum que nenhuma criatura ou Elohi poderia conhecer e compreender em sua plenitude, apenas o Elevado e seu unigênito comungavam daquele lugar. Uma casa, uma casa de carne, pois diziam que era o cordis ou o útero da criação.
Um enigma foi proposto, por um dos arcontes para servir como busca e sentido à nova existência, entretanto por mais que se esforçassem não conseguiam encaixar as peças, neste quebra cabeça cósmico, para dar sentido real, sabor e abundância de vida aos novos entes.
O Verbo teve que intervir, pois todos haviam percebido que fazia se propício ao Unigênito entrar na câmara santíssima e ali, diante da Presença Eterna conversar com o Inefável, em busca de algo que pudesse trazer abundância de vida aos neófitos.
Então, os enviados serventes da recamara do rei receberam ordens para preparar e purificar o átrio do templo célico, e assim o fizeram. Estes servos, os homens chamam de anjos, mas nada mais são que seres enviados para uma missão especial. Um destes Gadreel, que em hebraico pode ser escrito como ?????, também conhecido como Azazel, é a origem de muito conflito e debate. Certamente seu real título, princípio e incepção estão envoltos em mentiras e sombras. Nenhum mortal, e até mesmo seres imortais, podem afirmar com certeza sobre algo que teve o embuste como razão de ser, embora nada passa despercebido e impune pelo Eterno.
Enquanto realizava os preparos para consagração dos átrios e vestíbulos reais sua atenção foi desperta por uma pedra vermelha, um seixo de jaspe carmesim usado nas vestes sacerdotais pelo Verbo. Quero deixar claro que muito do que acontece aqui não poderia ser descrito com linguagem e palavras humanas se respeitada sua exatidão. O certo é que o que foi me passado e permitido lhe exponho da melhor forma que minhas mãos escrevem e minha mente concebe, por isso faço uso alegórico, dos eventos agora relatados, pois sem os quais jamais poderia escrever. Por isso, creia no conteúdo e não na forma, como conselho, prezado amigo, haja sempre assim, na vida, geralmente o contorno é enganoso embora a essência liberte. Se não fizeres isto, de um jeito ou de outro, aprenderás que as palavras nada dizem, todavia o que fazemos com elas sim.
Então, possuído de cobiça, apeteceu possuí-la, pois conhecia o propósito e sabia que facultaria habilidade de abrir portais e poder sobre as trevas, corrupção e mal, se usada sem consentimento e vontade do Verbo, pois em seu coração deixou entrar a dúvida sobre a bondade divina. Sem muito pensar, tomou-a para si, colocando outra de sárdio, semelhante em forma, em seu lugar. Leitor cabe aqui lembrar, que o ocorrido, apesar de não aprazer a Aquele que É, foi planificado por Ele antes de todas as Eternidades, nas eras ocultas em Deus e no Cordeiro (O primevo Æion, Kairós do Ego e do Ser) e quando terminar tu verás que falo a verdade.
Neste momento, um Mal Antigo foi desperto, transformando interior deste anjo, que agora chamaremos de Inferno, עזאזל em hebraico, pois como narrado antes, se mal-usado o Jaspe Carmesim, que simboliza o sangue do Cordeiro, porque quem o toma e usa, o faz para sua própria condenação, se não empregar o discernimento por meio Daquele que é o alimento da alma. Uma porta foi aberta e o Inferno a habita e é habitado por ele, o Filho da Perdição.
Que fique claro que o erro deste grigori não foi possuir a pedra, mas ser ladrão de algo que é livre a todo aquele que pedir ao Pneuma. O erro é a escravidão do espírito, pelo ego, que não se é refreado pelo Verbo. Neste momento, o horror primevo, entrou no corrompido anjo guardião dos aposentos reais.
Uma terrível tristeza abateu sobre o Verbo. Podia-se ver claramente no semblante do Cordeiro que algo muito sério o afligia. Porém, Ele sabia que era anseio do Eterno e conhecia muito bem os desígnios do coração de Deus. O Eterno, também estava aflito e pesaroso, pois isso não era de sua vontade ativa, mas permissiva.
Tudo foi preparado para o momento. E o Cristo entrou no santuário onde até os anjos temem ir. Ele vestia a indumentária sacerdotal completa. A Estola Sacerdotal ou Éfode uma peça parecida com um avental, confeccionada nas cores azul, púrpura, carmesim e o branco de linho fino retorcido. Sobre o Éfode um peitoral com as doze pedras, que representam os fundamentos que sustentam toda criação. Na cintura partindo do umbigo uma espécie de cordão de prata ligava as vestes ao cubo, o cubo de Metatron, uma máquina que permitia a entrada no santíssimo lugar, e assim, entrar em contado direto com o Arché. Arché é a substância primordial, constituinte de toda matéria do universo. Na verdade, Arché é um número que quando em execução conjunta com o cubo de Metatron possibilita a entrada no console fundamental que fornece uma interface para a criação da realidade. Uma vez conectado a máquina a realidade percebida pelo sumo sacerdote é mudada e este pode entrar no módulo de construção, uma espécie de programa de computador que funciona como um ambiente integrado que facilita a criação de realidades extraídas da lógica do número (ou programa) que inspira a vida.
Permita-me amigo explicar-lhe melhor o que é o Arché, também conhecido como unidade divina. Ele não é apenas um número qualquer, mas o padrão da perfeição, uma seqüência harmoniosa que encerra dentro de si todas as criações possíveis. Embora bastante próximo de Deus o Arché não é Deus. Podemos dizer que Deus é pleno quando o Verbo, a Lógica e a Materialidade trabalham em prol do sentido existencial, o tempero da vida, o Amor. O ator do Verbo é o Cordeiro, o ator da Lógica é o Arché e a Matéria é fruto da máquina de Metatron. Embora não percebamos todas as vezes, os três são e estão em Um e são vistos em plenitude no homem, mais corretamente no Filho do Homem e neste, sempre trabalham em Amor, afinal Deus é Amor!
Após todos os preparativos realizados então o Verbo adentra o santíssimo lugar. Imediatamente sua fisionomia se transforma. O módulo arquiteto estava carregado e o link foi estabelecido. Todo poder criativo de Deus estava ao dispor do Verbo, assim como, uma via de largura de fluxo inesgotável fornecia a comunicação direta entre Pai e Filho. Amigo, você deve estar perguntando por que essa conexão se fez necessária, visto que Pai e Filho são um, posso citar vários motivos, mas dois se destacam.
O primeiro é que nem sempre o Filho quer e precisa de todo poder criativo divino, há momentos que isso não se faz necessário nem desejável, lembre-se que o Filho nunca usou poder desnecessariamente. Ele nunca precisou de pirotecnia para mostrar sua identidade, poder e glória.
O segundo é que Ele, sempre quis se comportar como humano, deixe me explicar com um exemplo. Um alpinista poderia escalar uma montanha com um equipamento que facilitasse ao extremo a conquista do cume da montanha, podendo se quisesse subir até lá de helicóptero. No entanto que graça teria isso? E lembre-se a chave da vida está na graça. A graça é o Amor, divinamente humano e pessoal, em Movimento. Sem movimento, não há graça. Sem isso a vida se torna o “Trabalho de Sísifo”. Vazia, oca, sem sentido e niilista. O Verbo vivo deseja que a criação se pareça com a história arquetípica dando forma, beleza e sabor em abundância. A limitação torna as coisas mais interessantes. Embora haja sacrifícios e sofrimento, ao final, quando o montanhista tem a magnífica visão do fruto de seu esforço ele diz, valeu a pena!
Há uma terceira razão, também importante, mas em momento propício, querido neófito, lhe revelarei. Por agora basta dizer que nem todos têm fé a ponto de mover montanhas e nem só o Verbo pode usar a máquina de Metatron, mas só ele pode ir ao Aleph Santíssimo e compreender o mistério e causa da Vida.
Depois de tudo preparado, Adonai inicia seu trabalho. Como de igual maneira, em todas as criações, a primeira criação é a luz, então em um grito catártico, Fiat Lux, e a luz foi feita. A partir deste ponto não preciso entrar em detalhes, pois você conhece o desenrolar dessa história. Quero apenas focar em um ocorrido, e farei isso nos parágrafos seguintes.
***
O grigori ladrão da pedra, não era o mais forte dos anjos, porém o mais astuto e hábil na arte do falar e convencer. Ele sabia que seus dias celestes estavam por se findar e pouco tempo teria antes que fosse derribado. Além disso, as trevas em seu interior cresciam rapidamente, sempre a clamar por sangue, morte e destruição. Ele precisava agir e ligeiro. Ele carecia de seguidores, mais isso seria impossível se não houvesse separação entre Deus e os Vigilantes Universais. Ele precisava se tornar o poder, o dínamo que separa. E se possível ele separaria até Pai e Filho. Ele semearia a semente da discórdia entre os anjos superiores. A fé na bondade divina deveria ser abalada.
Uma voz gutural sussurrou em sua mente – “A chave para as trevas é a morte e com a mentira triunfarás”. Ele ainda não havia percebido, mas o dragão, em seu âmago crescia devorando seu espírito dia-a-dia. E na biblioteca celeste seu interesse pelo conhecimento proibido das eternidades precedentes crescia, em especial sobre a figura dracônica. Ele não teve maiores problemas em obter tal conhecimento, pois era o responsável pela manutenção do acervo da biblioteca real. Justamente o anjo que devia manter os livros em secreto traía o designo divino. Isso foi apenas o começo.
Um prazer perverso enchia-lhe o coração. Ele se via maior que o Criador, o que lhe enchia o espírito de orgulho e prepotência. Então enfim a semente do dragão germinou em sua mente. Ele percebeu que o seu sim, não precisava ser sim e o não, não precisava ser não. E o engano o fez sentir livre como nunca antes. O primeiro fruto da semente do dragão foi à mentira. A mentira que falsamente liberta.
Munido de conhecimento oculto e proibido se aproximou de Samyaza, o querubim do trono. O único anjo que conhecia o nome completo de Deus, o Logos, palavra passe que concedia acesso ao cubo de Metatron para alteração da realidade. Era poderoso em guerra e belo em formosura, sendo considerado o sinete da perfeição. Fazia sua morada junto às pedras afogueadas. Seu poder militar e anjos seguidores rivalizava com os de Miguel. Samyaza, não deixava transparecer, mas em seu interior deixou crescer certa inveja por Miguel, pois julgava desnecessário dois generais celestes.
Gadreel possuído pelo dragão havia percebido a insatisfação do querubim do trono. Sucessivamente alimentava o sentimento ínvido de Samyaza. Tornaram-se amigos. Gadreel em momento propício convidou-o para a biblioteca celeste e lá comungaram de conhecimento proibido. O dragão em Gadreel era ávido em devorar o espírito e sabia que não poderia abastecer-se ainda mais de sua morada, pois acabaria por destruir seu aliado por completo perdendo-o na morte e na loucura. Incentivou-o com sussurros semi-conscientes a fazer o Pacto de Execrações, descritos nos livros do primevo Aion, relatado no terceiro capítulo, “A criação do Dragão”.
Tão logo as juras do ritual se concretizaram o dragão entrou em Samyaza, lhe despertando dúvidas sobre a bondade divina. Ele sabia que o que fizera era errado, mas sentia um gozo maligno ao ver o mundo com os olhos do dragão. Enganado acreditava que o mal também poderia ser um bom trilhar e que as trevas eram belas. Não conseguiu compreender que o mal só atrai-o para a morte, e ao final consumiria seu espírito. Cabe neste momento dizer-lhe amigo que Deus deseja que sejamos um com Ele, mas Ele respeita nossa essência. Já o dragão devora-nos de forma que não somos um, mas acaba por amalgamar de forma indelével sua essência em nosso imo suplantando-a pela a dele. Sobrando somente ele. Sua fome é insaciável. E seu apetite irrefreável. E suas vítimas acabam por sucumbir, sem perceber a mordida do vampiro das almas.
Então por que Deus criou o dragão? Veja que o dragão é mal, pois assim foi criado, ele foi homicida, promotor da morte desde o princípio, e com justiça será tratado no final.
Nós eleitos, desde a fundação do mundo, somos vitoriosos de eternidade em eternidade. Somos mais que vencedores. Porém o dragão e sua semente serão derrotados de criação em criação. Como o vilão que em sua desgraça merecida abrilhanta a vitória do herói. A derrota do dragão é motivo de festa daqueles que viveram pelo Verbo. Isso está em nossos corações, implantado em nosso inconsciente. É a história arquetípica escrita na primeva incepção. Na criação anterior o dragão foi vencido pela força... Nesta, porém, o nosso inimigo está em nós e não será vencido pela força ou poder, mas pelo Espírito de Deus. Se a luta será terrível, a vitória será imensa. A vitória, no entanto, revelará sim de modo esplendoroso que o santuário santíssimo tem lugar em nosso mais íntimo, em nosso EU SOU. Seremos e já somos coparticipantes da natureza de Deus. O Misterium Tremendum, o galardão final, daqueles que são fiéis ao Verbo, será revelado e conheceremos como também somos conhecidos. E Deus fará tudo novo de novo!
Deus não é o autor da morte, a perdição dos vivos não lhe dá alegria alguma. Ele criou tudo para a existência, e as criaturas do mundo devem cooperar para a salvação. No entanto, a presença do mal permite o agir do bem. O Cristo teve a oportunidade de demonstrar seu amor, que em graça se transformou vertendo seu precioso sangue. E derrotada foi à morte e seu aguilhão e veneno será por fim destruído. Em alegria seremos transformados e o que hoje são sombras e névoas no porvir serão cores vivas como as luzes da aurora no esplendor do amanhecer.
O Eterno trabalha com ciclos. Como disse o sábio “Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou.”. Observe as estações do ano, os meses, as semanas e até mesmo os dias. Eles se repetem, mas sempre de forma diferente. A novidade não está exatamente naquilo que se vê, mas em como se vê.
Há tempo de destruição, de renovo, de trabalho, de descanso e neste fluir as eternidades passam. Ainda que em momentos de dor, mais perto chegamos do criador. Feliz aquele que achar mérito no autor das almas e para quem Ele disser, “Servo bom e fiel entra no teu descanso”. Nem todos adentrarão no descanso, pois com juras Ele disse “Não entrarão no meu descanso, embora fossem completadas as obras desde a fundação do mundo. ” Pois em certo lugar disse assim acerca do dia sétimo: “E descansou Deus no dia sétimo de todas as suas obras”. Pois aquele que entrou no descanso Dele, esse também descansou das suas obras, assim como Deus das suas. Lute por sua salvação, amigo, para que te aches no Espírito Eterno no dia em que Ele vir nas nuvens revelar as obras de suas mãos. O tempo é breve e já estamos no início do sétimo dia. Um dia para Ele são mil anos. Nosso tempo não é o Dele! E o homem é senhor do sétimo dia e reinará no milênio com o Cordeiro. Reino de justiça e paz.
Samyaza então revela a Gadreel o segredo do nome divino. Gadreel agora poderia entrar na nova criação divina e semear o germe do dragão. Entretanto havia um obstáculo. Como chegar ao santíssimo lugar, diante da presença divina, sem ser fulminado pela glória da visão sublime. Eles precisavam de algum artifício que pudesse ofender o Espírito de tal forma que este momentaneamente se ausentasse do sumo santuário. Precisavam conversar diretamente com o dragão e para isso usaram a pedra carmesim roubada. Assim, profanou a pedra de sangue para trazer do abismo ancestral o dragão. Munidos de poder profano conseguiram realizar a maior de todas as desonras, “O abominável da desolação” no lugar onde jamais deveria ser feito. Eu poderia relatar como e de que maneira isso foi realizado, mas o simples fato de mencionar tal hediondez é um sério pecado, por isso amigo, não entrarei em detalhes.
O dragão usou Gadreel para ocupar a serpente e então seduzir a Eva a comer do fruto do conhecimento. O dragão pôde então inserir no gênero humano sua corrupta semente. É por isto que alguns homens são verdadeiros demônios, sem qualquer tipo de compaixão ou remorso por seus atos. São filhos do diabo, promotores da morte e do engano, homicidas frios e insensíveis. Nos últimos dias, quando a ceifa estiver às portas, a distinção entre luz e trevas entre joio e trigo será fácil e assim os anjos terão pouca dificuldade em separar os bodes das ovelhas.
Nessa época, os homens serão amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes aos seus pais, ingratos, ímpios, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Serão o reflexo do dragão trilhando o caminho da escuridão em profundas trevas. Do céu será revelada a ira de Deus contra toda a impiedade e injustiça dos homens que detêm a verdade em injustiça. Como disse o Revelador “veio a tua ira, e o tempo de serem julgados os mortos, e o tempo de dares recompensa aos teus servos, os profetas, e aos santos, e aos que temem o teu nome, a pequenos e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra.” Mas antes da primeira luz do dia raiar no horizonte, a noite tem que ficar mais escura!
Deus sabia qual caminho o homem iria trilhar, mas Deus nunca pune um pecado que você ainda não cometeu. Deus realmente queria que o homem fosse como Ele, não negando-lhe nem mesmo seus atributos criativos, a maior vontade de um pai e que o filho trilhe seu caminho. Mas Deus sabia que isso tinha um preço, um alto preço, pois Deus não seria tão irresponsável de dar a uma criança tamanho poder de uma vez, por que o poder corrompe e o poder absoluto corrompe totalmente! Foi então que Ele, Deus, revelou seu plano ETERNO de SALVAÇÃO, o CAMINHO, pelo qual os escolhidos chegariam a DEUS, de forma a não se corromper! Deus plantou no jardim do Éden duas arvores, a do "Conhecimento do Bem e do Mal" e a arvore "da Vida". Nas regiões celestiais, o Satã, a inimizade, a sombra, também entraria nesse plano. Gadreel entrou na serpente e fez o homem escolher um caminho que não era a vontade do VERBO. Ele roubou a identidade do homem e autoridade sobre o mundo criando inimizade entre Deus e homem e entre homens e homens! E ainda fez parecer, que ele foi o bem feitor da humanidade, revelando um segredo oculto, o qual, segundo o diabo, Deus não queria que o homem soubesse! Mas tudo isso já havia ocorrido, em Deus, nas eras ocultas da ETERNIDADE.
Então DEUS faz a promessa, a primeira profecia, sendo o profeta o próprio Deus, "Um dia, um descendente de Eva, esmagaria a cabeça da Serpente" e ela, a serpente, feriria este homem no calcanhar! O problema é que agora, o ser do homem, estava corrompido e não refletia o EU SOU, o espírito de Deus, que diferencia os homens dos animais, havia adormecido, e a sombra (que na Bíblia é conhecido como carne – A semente do dragão) tomou seu lugar. A alma do homem se inclinou e inclina para o mal, porque a essência do dragão se ligou a ela, como já havia dito. Então, Deus no tempo certo, envia seu TABERNÁCULO, de carne, o VERBO abre o CAMINHO, do alto a baixo, rasgando o véu, o escrito de dívida, que separava DEUS do homem, se misturando com o homem de forma tal que não poderia ser separado. Uma guerra foi é e será vencida... Neste CAMINHO agora o homem tem em seu corpo duas essências conflitantes e que militam entre si, o ESPÍRITO e a CARNE. Por isso que Jesus, O VERBO TABERNACULADO, desce as profundezas trevosas do inferno e toma a chave da MORTE do diabo.
Tornando Ele, o cabeça dos principados e potestades (leia Colossenses 2 - atente para o versículo 10). Agora pelo sangue do cordeiro, o diabo (Gadreel), o dragão e satã (Samyaza) podem ser vencidos, porque Jesus é também senhor do INFERNO, como desde a eternidade foi, mas que a agora em plenitude se consumou! Por fim, Jesus ressuscita e então tem se inicio o tempo da graça. Neste tempo, todos que se alimentarem da Árvore da Vida, a Videira Verdadeira (leia João 15) e exercerem a autoridade de Cristo, sobre o mal, conservando seu Espírito Santo, serão arrebatados ou morrerão em Cristo, não experimentando jamais o dolo da segunda morte. E com o cordeiro reinarão pelos séculos dos séculos.
CAPÍTULO 2 - KAIRÓS
Quero contar aqui algo que ocorreu em um tempo fora do tempo. Quero falar da primeva incepção. É uma tarefa hercúlea, mas tentarei ... É certo que o Espírito Eterno, sempre ajudando e inspirando, está aqui... Que seria eu sem o Pneuma, meu amigo? Que preenche e transborda o coração daqueles que vivem pelo Cordeiro. Espero que Ele, enquanto você lê esses escritos, que encha até transbordar as palavras e a linguagem seja muito mais viva que apenas letras mortas num papel.
Antes do tempo existir existia o Verbo, como disse João, “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela.”
Todavia amigo pode ter passado em sua mente... O que havia antes do princípio, não é mesmo? Bom, tenho duas respostas para você, a mais simples é: Só Deus sabe... É... Não te satisfez... Nem a mim... Queremos saber, né? Aqui vem a segunda resposta. Nem tudo é possível saber, pois não há uma resposta que cabe na lógica atual desta criação.
Deixa te explicar melhor, se algo é o princípio de tudo, não pode haver antes... Estamos acostumados a viver em Chronos, o tempo depois do tempo, mas aqui, como disse outrora, estamos em Kairós, um não-lugar fora do tempo e do espaço. Isso por que o tempo como conhecemos também é uma Criação do Eterno.
Há perguntas que nunca saberemos a resposta. E há perguntas que não tem resposta. E estas só Deus sabe, por que Ele sabe de tudo. Em alguns casos Ele revela seus mistérios, como aconteceu com Enoch, o sétimo depois de Adão, mas isso lhe custou um alto preço. Não por que Deus é como o poderoso chefão, a Cosa Nostra, que lhe mata por que você sabe demais. Isso acontece por que há mistérios que se revelados podem modificar de tal forma a psique e o corpo que simplesmente a existência é desfeita.
Como está escrito em Gênesis que Enoch andou tanto com Deus que já não o era mais, e Deus o tomou. Esse tomar de acordo com o Codex Aleppo é אתו. Esta palavra tem sido alvo de estudos judaicos conhecidos como midrashim. Midrashim, nada mais é que estudos rabínicos mais aprofundados, tentando preservar a exegese original, que as vezes pode ter se perdido com o tempo. E podemos dizer que extraindo sua definição do Codex Aleppo ou ainda dos “Manuscritos do Mar Morto” possui uma acepção que mistura os sentidos das palavras fundir, desfazer, coexistir e coparticipar em uma única palavra.
E há Verdades em Deus e Ocultos que são tão perigosos, ou melhor, temerosos, que se revelados fora do momento escolhido enrolariam o universo como um pergaminho na mão de um escritor. E nisso não há menor graça... Nem para Deus... Nem para nós... É como saber o final do filme, antes de assisti-lo. Embora aqui não saiba nem revele estes mistérios, cuidado... Você não será mais o mesmo após ler esse livro... Eu te garanto... Quando o recebi percebi isso! É... o autor escreve, mas também o recebe, nem que seja pelo ar (Pneuma)! Não é mesmo Teófilo... Não é, meu amigo?
Voltaremos a falar depois sobre Enoch, personagem muito importante, que o livro de Judas (não o Iscariotes) cita, inclusive com alusões ao terceiro Livro de Enoch, que segundo muitos pais da Igreja, como Orígenes, deveriam estar no Cannon Bíblico, mas não estão por que os Judeus Ortodoxos, pais da Torah, o baniram pois continha profecias que os deixavam incomodados com sua exatidão sobre a vida do único e verdadeiro Cristo, Yeshua, o unigênito Filho de Deus.
O judaísmo rejeita a crença de que Jesus seja o Messias aguardado, argumentando que não corresponde às profecias messiânicas do Tanach, justamente por que mutilaram a Torah retirando o referido livro.
Quero deixar claro que não sou anti-semita muito pelo contrário. Oro pelo povo judeu, pelas suas aflições, mas sei que muito do que acontece no mundo (coisas boas e ruins) tem algum dedinho judaico. Em algum lugar está escrito que este povo será como pedra no sapato das nações. E em outro sítio diz que todas as famílias serão abençoadas pelos filhos de Abraão. Mas é certo que de fato comandam toda mídia ou pelo menos boa parte da mundial, mas com certeza da ocidental. Principalmente Hollywood. Preste atenção e verás que falo a verdade!
Quero também dizer que nada escapa a vontade de Deus. E este o permitiu, pois vivemos no tempo da graça, mas quando chegar o tempo dos Judeus estes acordarão para a besteira que fizeram, quão vergonhoso será reconhecer que eles, enganados e iludidos, favoreceram o “Abominável da Desolação”, por sua grande teimosia em não aceitar o Verbo Tabernaculado, Jesus de Nazaré. Sempre há um propósito oculto nas ações do Eterno. Principalmente na progressão do desvelo da verdade sobre o que e como se dará o desfecho de tudo. E o livro de Enoch terá importância ímpar neste processo.
Continuando... Posso dizer, ainda que grosseiramente, que Kairós é um lugar na mente de Deus, mais ou menos, como a imaginação humana, porém com realismo e detalhe maior que nosso mundo. Kairos é Deus descobrindo Deus e brincando de esconde-esconde com seu Filho e envolvendo e sendo envolvido pelo Espírito Santo. É como uma família, em seus momentos mais íntimos.
Bom... Para facilitar diremos que a primeira criação de Deus foi Deus. É como acontece no sistema de Boot de um PC. Deus cria Deus, ou melhor gera Deus. Deus na pessoa do Pai, cria o Filho, o Verbo. A BIOS de seu PC, ainda é seu computador, porém ela é o que dá o arranque em todo sistema computacional.
Por um prisma a vida pode ser vista como relacionamento. E não há relacionamento na Unidade Absoluta. Isso por que, relacionamento se expressa por pelo menos duas entidades. Deus só se relaciona com Deus em sua trindade. Entretanto, em Kairós, inicialmente só existia Deus UNO.
No princípio, havia o SER, o Verbo... Simples, compacto, total, denso e pontual. O “SER” neste ponto está impessoal e no infinitivo. Como o espectro da luz branca que carrega em unidade todas as cores. Não há o Eu, ou qualquer outro pronome, muito menos tempo verbal e ação. Apenas a existência. Embora não lhe faltasse cor alguma, faz parte da beleza de Deus compartilhar o que Ele tem...
É aqui que usar a linguagem, com suas limitações, torna tudo mais complicado. Se necessário releia esta parte. Vamos a ela...
Não havia nada, muito pelo contrário, do nada, nada se tira. O nada nunca se aplica ao ser, por isto não é! O nada como figura de linguagem pode ai sim ser alguma coisa, mas isso agora não vem ao caso. Nunca chegarei a um somando apenas zeros. Para o zero, o um é infinitamente grande, pois nem mesmo com infinitos zeros, chegamos a um. Mas com uns e zeros eu percorro o infinito. O sistema de numeração mais básico é composto de apenas dois números ou estados. Zero e Um. Ligado e Desligado. Vivo e Morto. Com estes dois dígitos posso expressar infinitos números... Ou estados... Mas o zero, ainda que seja o menor número expressando quantidade não é nada. Afinal o “é” pode lhe ser aplicado, pois este É um número.
Então o SER se esvaziou até morrer. A primeira morte é o vazio... Embora essa morte não seja a morte verdadeira... Algo como mergulhar num rio e voltar a superfície... Um batismo! Como um pai brinca com o filho com uma coberta fingindo e terminando com um put e se revelando.
As vezes esvaziar é triste e angustiante. As vezes trás alívio e gozo... Uma Catarse. Como os franceses chamam “La petit mort”. A pequena morte. Até Deus, apesar da dor de se esvaziar, sabia que o melhor é serem dois do que um! Morreu pois sabia que vale a pena morrer para que outros possam viver... Afinal... E a morte de Deus gerou o Filho. E assim dois estados ou entidades e um relacionamento em Espírito Santo.
Inicialmente esse relacionamento se processa como uma adição, uma soma, se preferir use a palavra do Codex Aleppo ???? para definir este relacionamento.
E o Filho falou... EU SOU! E um sorriso no rosto de Deus apareceu em alegria com as primeiras palavras do Filho... Ou seriam Suas? O que importa é que ele o Amou! Sim o primeiro sentimento de um relacionamento. O Espírito que une o Ser em Santidade! Agora Deus estava completo... Pai, Filho e Espírito Santo em Deus... Em Amor!
É amigo, na trindade as vezes não separamos quem é quem. Deus sabe bem expressar a palavrinha difícil, que significa fundir, desfazer, coexistir e co-participar, aquela do Codex, que da uma confusão doida na mente... Só posso dizer que a loucura de Deus é mais sábia que a sabedoria humana... Não é mesmo?
Quem nunca saboreou a cereja em cima do bolo fazendo um filho, não sabe o que é viver! A escritura afirma que o maior prazer aqui da terra é o menor dos que existem no céu! E deve ser mesmo, pois aqui cercados de pecados e de morte a expressão do amor, ainda que apenas erótico, é deveras agradável... Imagina como devem ser os relacionamentos no céu onde há pureza cristalina. Afinal o que temos aqui são apenas sombras, opacas como um espelho embaçado comparadas com o que há de vir!
Acho que estou ficando louco... Concorda?
Então continuando com essa sábia loucura... Deus, na Pessoa do Pai e Deus na Pessoa do Filho continuam um se entregando ao outro, enchendo e esvaziando, como um pulmão, renovando e purificando seu relacionamento, o Espírito de Sua Santidade que traz graça e sabor a vida, o Pneuma. Esse Amor, esse Espírito é o alimento da alma, da mente, de Deus, em Kairos, e também do nosso mais indissociável imo, o nosso EU SOU, o Arché citado no primeiro capítulo deste livro.
Quero deixar claro uma coisa. Deus é amor, mas o Amor, não é Deus. O amor, é o alimento, a fonte, o maná celestial que dá substância a matéria, mesmo que esse não a seja a matéria em si. Como disse Paulo em sua carta a Hebreus, “... entendemos que os mundos foram criados pela palavra de Deus; de modo que o visível foi feito do invisível.” Em outras palavras, o que é físico, em sua essência, é feito daquilo que não está em Physis.
Seu fosse um cientista, e na verdade o sou, diria que a matéria não possui materialidade em si, mas o espaço, o oceano de Higgs é que lhe dá materialidade, como sua massa e densidade. O átomo é um imenso espaço vazio, com pequeníssimas partículas, uma laranja no centro de um gigantesco campo de futebol. O universo, no frigir dos ovos, é mais de 99,9999% de espaço vazio. Afinal, no principio, o grão de mostarda, átomo primordial, cabia na cabeça de um alfinete, mas pesava mais que bilhões de sois.
Falando em BIOS, que anteriormente referida como o Sistema Básico de Entrada e Saída, quero também falar de Bios, como vida biológica. Qual a principal coisa que deve existir para que haja vida? Para responder isso vamos definir vida.
Vida, conforme aprendemos na escola, de um modo geral, precisa exibir todos os seguintes fenômenos pelo menos uma vez durante a sua existência: Desenvolvimento: passagem por várias etapas distintas e seqüenciais, que vão da concepção à morte. Crescimento: absorção e reorganização cumulativa de matéria oriunda do meio; com excreção dos excessos e dos produtos "indesejados". Movimento: em meio interno (dinâmica celular), acompanhada ou não de locomoção no ambiente. Reprodução: capacidade de gerar entidades semelhantes a si própria. Resposta a estímulos: capacidade de "sentir" e avaliar as propriedades do ambiente e de agir seletivamente em resposta às possíveis mudanças em tais condições. Evolução: capacidade das sucessivas gerações transformarem-se gradualmente e de adaptarem-se ao meio.
***
Fim da mostra de meu primeiro livro... Podes reproduzir estes capítulos onde quiseres, mas lembre-se de citar o autor - Rodrigo Lima – http://seguidoresdocaminhoeterno.blogspot.com.b)
***
Curioso para saber o final... Você já sabe... Mas ainda não lembra!!! Aguarde... Em breve numa livraria perto de você e na internet para baixar gratuitamente em MOBI, PDF e Epub... Espere, vai valer a pena... Enquanto isso, espalhe a mensagem!
submitted by rodrigoablima to EscritoresBrasil [link] [comments]


2018.01.10 21:26 ajuda_anonimo [Sério] Conselho: fim de relação de 10 anos, tenho 26.

Sou um rapaz, conheci uma rapariga no 11º ano e começámos a namorar. Fomos co-dependentes um do outro durante 10 anos, vivíamos muito um pelo outro, ajudámo-nos um ao outro a superar as dificuldades nas nossas vidas e funcionámos muito bem enquanto durou.
Enquanto ambos estudávamos víamo-nos todos os dias e ela dependia muito mais de mim para se manter feliz do que eu dela. Eu acabei os meus estudos e comecei a trabalhar, ela ainda está a estudar. Esta diferença provocou um distanciamento geográfico uma vez que não vivemos juntos neste período. Passámos a ver-nos com muito menos frequência do que no tempo em que ambos estudávamos, e felizmente, ela conseguiu dar a volta e tornar-se independente emocionalmente, encontrou amigos e aprendeu a lidar com a crítica. Eu cada vez mais gostava mais dela ao ver o seu crescimento pessoal.
Há pouco tempo disse-me que não sabia porquê, mas já não gostava de mim. A minha opinião é que por ter sido um bom companheiro de suporte emocional muito importante para ela, quando ela deixou de precisar desse suporte, muito do apreço que tinha por mim desapareceu. Não a culpo e talvez seja melhor assim para os dois.
Ainda assim, eu fiz um esforço ao longo do ultimo mês para organizar coisas com ela para tentarmos reatar mas era óbvia a falta de vontade do outro lado, chegou a dizer que sentia repulsa.
Hoje decidi pôr um fim a isto, senti que estava a fazer demasiada pressão, o esforço era unilateral e não estava a ser bom para nenhum de nós.
Investi todos os meus recursos sociais nesta relação e só tenho um amigo com realmente algum significado para além dela. Um verdadeiro caso de um cesto que se rompeu e que tinha toda a minha fruta la dentro.
Habituei-me a uma relação com significado e baseada na amizade e no respeito. Isso faz-me muita falta agora e tem-me feito nos últimos tempos, daí ter decidido terminar para tentar acabar com este sofrimento.
Gostava de conseguir manter-me produtivo no meu trabalho, ainda por cima faço-o em casa ao meu ritmo. Tenho imensos interesses, distrações não me faltam, mas parece que nada enche este vazio, talvez porque não gosto assim tanto de nada como gostava da minha namorada, e essa é outra razão pela qual este relacionamento já não era saudável, acabei por ser eu a depender dela, só que desta vez não houve correspondência.
Eu devia ser capaz de ser completo sozinho, mas neste momento preciso de alguém capaz de encher este vazio. Como não tenho experiência "no engate" nem uma vida social super ativa, pensei virar-me para o Tinder para tentar encontrar alguém interessante, mas ao mesmo tempo tenho uma ideia de que a população feminina no Tinder não está à procura de relacionamentos sérios. Ou procuram amizades ou sexo sem compromisso. Estarei enganado? Com 26 anos tive a sorte, ou o azar, de começar a minha vida amorosa com uma relação muito longa e que funcionou bem, pelo menos para o meu lado.
Antes que escrevam a proverbial frase "bate uma punheta que isso passa", gostava de explicar que o meu interesse sexual na rapariga só se manifesta quando estávamos juntos, literalmente no sofá ou na cama, dada a situação que temos passado. Não tenho qualquer atração sexual por ela quando não estou com ela, há coisas mais importantes que isso, tipo... sei la... o amor -.- ...
Alguém numa situação semelhante? Como é que resolveram isto? Algum conselho para lidar melhor com a situação?
submitted by ajuda_anonimo to portugal [link] [comments]